Conheça a Treliça Lançadeira Sicet da ROHR e descubra a importância desse equipamento.

Imagem_Blog_Rohr

As treliças são equipamentos de grande importância no segmento de construção civil. Discorreremos nesta postagem sobre as treliças em geral, equipamento versátil e muito utilizado no Brasil, e também sobre a Treliça Lançadeira Sicet, um equipamento automotor da ROHR para o lançamento de vigas e aduelas pré-moldadas até a sua posição final.

Em quais situações as treliças são utilizadas?

Normalmente, em projetos de pontes ou viadutos que concebem estruturas pré-moldadas, em que as vigas de concreto são fabricadas em um pátio próximo ou distante da obra. No entanto, o que define a utilização da treliça é a concepção do projeto estrutural da ponte, de acordo com a situação de relevo ou do traçado do local.

Treliça X Guindaste. Qual a melhor escolha?

Quando o projeto é feito para utilizar as peças pré-moldadas, tais peças podem ser lançadas pela treliça ou pelo guindaste. As condições do terreno é que irão ditar a utilização de um ou de outro.

O guindaste precisa estar em um piso regular, que resista ao seu peso junto ao da viga. Às vezes, são necessários dois guindastes. Sua escolha deixa a solução mais barata e ágil, mas não é indicada para todo tipo de obra. Em rios, o lançamento com guindaste fica mais complicado, pois o apoio deverá ser feito em balsas.

Já a treliça pode se apoiar, por exemplo, sobre os pilares já construídos, o que permite maior versatilidade de uso. Geralmente utilizada em situações muito adversas, em meio a florestas e grandes rios, a treliça consegue ser montada em locais com apenas um espaço mínimo para receber caminhões e um pequeno guindaste para montagem.

É Importante lembrar que as treliças possuem algumas limitações que devem ser levadas em conta, como:

  • Raios de curva da ponte. Uma curva muito fechada traz complicações, já que o equipamento é retilíneo.
  • A treliça só pode ser utilizada em vãos máximos de 45m e vigas com até 120t.
  • A rampa máxima para a utilização da treliça é de 6% (em alguns casos de 5%, dependendo do peso da viga).
  • O peso da viga, o vão máximo e o peso máximo não podem ser utilizados simultaneamente em seus limites.

Montando a equipe ideal.

Para manter a segurança de todos ao trabalhar com uma treliça, é requerido uma equipe de operação pequena (5 ou 6 pessoas), experiente, treinada, capacitada com conhecimento prévio para assumir responsabilidades e sempre supervisionada por um engenheiro. O encarregado geral e o responsável por movimentar a treliça precisam ter ainda mais experiência.

Segurança: peça fundamental.

As normas de proteção estabelecidas devem ser respeitadas, como a utilização dos EPI’s. Além disso, a segurança dos processos que envolvem a treliça começa por um projeto correto, com todos os detalhes de apoio e fixações bem dimensionadas.

Além desses cuidados, é necessário fazer a execução de peças de concreto ou metálicas para que o leito da treliça seja construído sobre peças da obra, como pilares. Outro ponto importante é que todo o plano transversal deve estar em nível para diminuir o risco de acidentes. A treliça jamais pode trabalhar em um plano inclinado transversalmente em relação à ponte.

Quais os cuidados que precisam ser tomados com a treliça?

Por ter muitos componentes eletromecânicos, a treliça precisa estar em boas condições de manutenção, com revisão elétrica, mecânica e estrutural realizadas pela empresa fornecedora antes de enviar o equipamento à obra.

Também é importante um acompanhamento, às vezes com um técnico, durante a obra para manutenções corretivas. O contrato de serviços deve prever a manutenção in loco, atuando rapidamente para que a interrupção seja a mínima possível.

A evolução das treliças lançadeiras.

Mesmo com um sistema simples e tradicional, as treliças lançadeiras evoluíram na mecanização de alguns processos que eram feitos manualmente, refletindo nos tamanhos dos vãos que podem ser lançados, da abertura entre pilares. Existem sistemas de equipamento que podem lançar o vão inteiro, com a laje e todas as vigas. Com isso, é possível receber e transportar cargas maiores.

Agora, vamos falar um pouco sobre a Treliça Lançadeira Sicet, da ROHR. Confira abaixo as etapas realizadas com esse equipamento:

1) Locação da viga no eixo de lançamento da Sicet com a utilização do Carrellone, Fischietti*.

2) Envelopar a viga pré-moldada com a Sicet e travamento da treliça.

3) Içamento da viga pré-moldada envelopada pela Sicet.

4) Movimentação horizontal da viga pré-moldada ao próximo vão, movimentação efetuada pelos guinchos.

5) Os guinchos são ancorados permitindo a movimentação horizontal da treliça ao próximo vão.

6) Caso não seja necessário a movimentação transversal da Sicet para posicionamento final da viga pré-moldada, esta é baixada verticalmente e depositada sobre o apoio.

7) Caso seja necessário o deslocamento transversal, a treliça é balanceada, depositada da viga pré-moldada no apoio.

8) Retorno da treliça ao eixo de lançamento.

9) A treliça retorna para o ponto de partida para efetuar um novo lançamento.

O Fischietti, equipamento constituído de torres metálicas com roletes, macacos hidráulicos e um braço metálico portante, é utilizado para movimentação transversal de vigas no canteiro de pré-moldagem. O Carrellone é utilizado para o transporte longitudinal de vigas quando o pátio de fabricação estiver distante do local de lançamento, também permitindo a diminuição do percurso a ser percorrido pela Treliça Sicet.

Esperamos que este post tenha esclarecido dúvidas e dado a você uma visão mais ampla sobre as treliças. Entre em contato com a ROHR e saiba qual é o melhor equipamento para a sua obra.

 

Compartilhar

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz